segunda-feira, 14 de agosto de 2017

16 de Agosto 1977 (40 anos)





Para ilustrar essa postagem, resolvi postar a foto dos três discos que fizeram eu conhecer Elvis. Além dos discos o “meu encontro com o Elvis ainda menino” logo no começo da Elvis Experience. Ao ver aquele display com a foto do menino Elvis, um milhão de coisas passaram pela minha cabeça. Era mais que uma relação de fã e ídolo. Talvez tudo o que passou pela minha cabeça eu não consiga escrever em palavras... Hoje dia 15 de Agosto de 2017, em plena Elvis Week lá em Graceland, por volta das 20:30 da noite começa a vigília onde muitos fãs relembram Elvis mais uma vez (ok, não é bem relembrar, como se a gente o esquecesse). Por dois ou três anos consecutivos, pudemos assistir a vigília on line. Isso foi muito bom, pois esse que vos escreve, como não conseguiu visitar Graceland até hoje, pôde acender uma vela daqui também e acompanhar a vigília aqui do Brasil. Até o momento dessa postagem, não há informação se a vigília será transmitida on line.
Em 1977, segundo minha mãe, ela arrumava minha caminha (eu tinha 2 para 3 anos) e ouviu no rádio a triste notícia. Ninguém me forçou a ouvir Elvis, quanto mais virar fã. Falar de 40 anos sem Elvis é difícil pra mim, pois as primeiras lembranças que tenho dele se referem a seus discos, os três que todo mundo que me conhece já sabe que são o Elvis Today (bate na minha cara mas não fale mal desse disco perto de mim), Elvis By Request Specially For Brazil e o Welcome To My World. Durante a minha infância esses foram os três discos que mais ouvi em casa, por iniciativa própria. Muito antes do Baratta ter vídeo cassete em casa, Elvis, Beatles e Roberto Carlos eram meus melhores amigos, pois os ouvia nos discos enquanto minha mãe devia ouvir o Eli Correia no rádio da cozinha. A notícia pegou todo mundo de surpresa, ninguém estava preparado para aquilo. Da mesma forma que a Crown Eletric não estava preparada para ter o Elvis de chofer de caminhão, da mesma forma que a Sun era pequena para um Elvis grandioso que surgia e ultrapassava os próprios limites, pois era um cara a frente do seu tempo, da mesma forma que RCA não estava preparada para um Elvis mil vezes mais produtor que o Steve Sholes, da mesma forma que Hollywood não estava preparada para um cara que provou que filme com astro do rock com músicas no decorrer do filme são sim um investimento rentável (acho estranho algumas opiniões negativas sobre os filmes de Elvis, mas preciso falar disso em outra postagem um outro dia), da mesma forma que a NBC não estava preparada para um Comeback Special que foi recorde de audiência, da mesma forma que o That´s The Way It Is era pouco para um volume só, da mesma forma que o On Tour foi sucesso absoluto, da mesma forma que o Aloha foi um dos maiores acontecimentos do rock n roll e mundial, da mesma forma que as turnês dos anos 70 não estavam preparadas para acomodar todo  mundo que quisesse ver Elvis In Person, o mundo não estava preparado para perder Elvis Presley.

Depois de 1977, muitos livros foram escritos, muitas matérias foram escritas, muitos discos foram lançados, até os dias de hoje são lançados discos e mais discos pela RCA. Isso sem mencionar os títulos do selo FTD. Graceland foi aberta para visitação pública em 1982 e recebe visitas até os dias de hoje. Principalmente nas “Elvis Weeks”. Filmes como o That´s The Way It Is, On Tour, o Comeback Special, Aloha From Hawaii, todos foram relançados em edições especiais. No caso do Aloha o DVD com o que ficou conhecido como “Alternate Aloha”, o “show ensaio” que fora gravado caso algo desse errado no dia da transmissão Via Satélite. Isso sem contar o “Elvis In Concert” show com a TCB Band e Elvis em um telão gigantesco, show que tem levado fãs de volta aos anos 70 e o privilégio de estar em um show do rei. A “Elvis Experience” exposição gigantesca com itens que pertenceram a Elvis, carros, moto, aparelho de jantar de Graceland, uma das TVs em que Elvis deu uns pipocos, roupas, jumpsuits, cartões de crédito, joias, telefone de ouro, exposição que tivemos o privilégio de ter aqui no Brasil com mais de 500 itens direto de Graceland. Embora muitos discos póstumos que são lançados até os dias de hoje, muitos colecionadores ainda andam na caça por discos da primeira prensagem americana. Isso tudo oficialmente. Fora os vídeos que circulam pela internet de shows da década de 1970, DVDs não oficiais como o “Through My Eyes” que tem outtakes do filme Elvis On Tour, o próprio “In Concert” que tem o Box “The Final Curtain”, o último show de Indianápolis, isso sem contar os filmes de 8 mm que vez ou outra alguém posta na internet. Enfim, Elvis é lembrado até os dias de hoje, reverenciado como rei e amado por seus fãs.

domingo, 6 de agosto de 2017

Welcome To My World






Lado A
1.       Welcome To My World
2.       Help Me Make it Through The Night
3.       Release Me (And Let Me Love Again) (Live)
4.       I Really Don´t Want To Know
5.       For The Good Times (Live)

Lado B
1.       Make The World Go Away (Live)
2.       Gentle On My Mind
3.       I´m So Lonesome I Could Cry (Live)
4.       Your Cheatin´Heart
5.       I Can´t Stop Loving You (Live – Unreleased)

Esse disco saiu em março de 1977. É uma coletânea muito bem montada. Nessa coletânea estão presentes algumas canções do Aloha de 1973, algumas de 1972, entre outras. A RCA americana montava algumas coletâneas e lançava com preço promocional. Não é o caso do “Welcome To My World”. Esse disco também é um dos três discos que me fez conhecer Elvis Presley. Os outros dois eram o Today e o By Request - Specially For Brazil vol 1 (comentado aqui esses dias). Uma coisa legal desse disco é a “I Can´t Stop Loving You” ao vivo é a do Madison, porém do show da tarde de 10 de Junho de 1972. O mesmo dia da “For The Good Times” que é do show da noite e está no disco “Elvis as Recorded at Madison Square Garden”. “Release Me (And Let Me Love Again)” está no disco “Elvis On Stage – February 1970”. Your Cheatin´Heart” é da sessão de 01 de Fevereiro de 1958, Elvis começaria o serviço militar em Março. A “Make The World Go Away” embora esteja classificada como ao vivo, é uma versão de estúdio. Esse disco em comparação com o anterior “From Elvis Presley Boulevard, Memphis Tennessee” (gravado em Graceland) e o “Moody Blue” (também gravado em Graceland, mas com algumas faixas ao vivo), fecha a carreira discográfica de Elvis (até 1977) como uma coletânea com alguns de seus melhores momentos ao vivo e em estúdio. Reforço que é um disco obrigatório para todo fã de Elvis.

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Elvis 40´ Greatest




Disco 1
Lado A
  1. My Baby Left Me
  2. Heartbreak Hotel
  3. Blue Suede Shoes
  4. Hound Dog
  5. Love Me Tender
  6. Got A Lot O´ Livin´ To Do
  7. (Let Me Be Your) Teddy Bear
  8. Party
  9. All Shook Up
  10. Old Shep

Lado B
  1. Don´t
  2. Hard Headed Woman
  3. King Creole
  4. Jailhouse Rock
  5. A Big Hunk´ O´ Love
  6. I Got Stung
  7. One Night
  8. (Now And Then There´s) A Fool Such As I
  9. I Need Your Love Tonight
  10. Stuck On You




Disco 2
Lado A
  1. Fever
  2. It´s Now Or Never
  3. Are You Lonesome Tonight?
  4. Wooden Heart
  5. Surrender
  6. Marie´s The Name His Latest Flame
  7. Wild In The Country
  8. There´s Always Me
  9. Rock – A – Hula Baby
  10. Can´t Help Falling In Love With You

Lado B
  1. Good Luck Charm
  2. She´s Not You
  3. Return To Sender
  4. You´re The Devil In Desguise
  5. Crying In The Chapel
  6. Guitar Man
  7. In The Guetto
  8. Suspicious Minds
  9. There Goes My Everything
  10. Don´t Cry Daddy

Um disco duplo que é tido como a coletânea mais conhecida do Elvis é o Elvis 40´ Greatest. Muita gente pensa que se trata de uma coletânea brasileira, mas ela foi lançada em outubro de 1974 na Inglaterra pelo selo Arcade. No Brasil saiu em 1975 pelo selo Soma e Som Livre. Esse disco é especial por vários motivos. O primeiro é a capa dupla, abrindo a capa na posição vertical temos uma foto do Elvis em corpo inteiro ao vivo. Em 1976 sairia um disco do Peter Frampton ao vivo, o “Frampton Comes Alive” no mesmo estilo. Outra curiosidade desse disco é que ele contém músicas que dificilmente podem ser encontradas em coletâneas. Muitas músicas estão em Mono. E Mono em um disco prensado nos anos 70 tem som superior a muitos discos reeditados nos anos 90, por exemplo. É um disco obrigatório para quem coleciona Elvis. Uma coletânea da Inglaterra produzida com Elvis vivo.

segunda-feira, 10 de julho de 2017

EP FANELVIS INTERNATIONAL FORUM





Esse blog foi criado para falarmos apenas sobre Elvis. Quando se fala sobre Elvis, várias palavras vêm à mente. Música: Elvis deixou uma obra de 58 LPs (se eu contei direito) gravados em vida, isso se não contarmos os singles (compactos), LPs póstumos, coletâneas, muitas dessas coletâneas são exclusivas lançadas em um só país (isso faz muito colecionador perder o sono), CDs e os FTDs (que hoje a lista passa de mais de 150 títulos) até aqui oficial. Porque a gente nem mencionou os bootlegs (gravações de shows ou ensaios não lançados oficialmente, mas que graças a tecnologia, muitas vez tem um som superior a um lançamento oficial) que existem aos montes. A segunda palavra seria “Filmes”. Elvis estrelou 33 filmes, dos quais dois deles são documentários. Isso sem contar o Aloha From Hawaii e o 68 Comeback, que eu classificaria como dois títulos importantíssimos que não podem faltar nessa lista. Livros, revistas, jornais, fotos, os principais detalhes de sua vida que mudou completamente quando ele parou o caminhão em frente ao Sun Studios. Daí vem a conclusão e uma pergunta. A conclusão é que Elvis deixou uma obra que é redescoberta até os dias de hoje, Elvis não é apenas um ídolo de milhões de pessoas no mundo inteiro, Elvis é um ícone da música e do cinema e tem que ser estudado constantemente pelos seus fãs.  A pergunta é: Onde o fã encontra todas essas informações hoje em dia? Blogs? Sites? Quais?

Aí eu faço um breve intervalo para contar uma rápida história. Eu fui comprar meu primeiro computador em 2006. Na época que comprei eu mal sabia usar o email, quanto mais ter acesso as redes sociais. Mas acabei fazendo sim uma conta no finado Orkut (tudo o que o “cara de livro” ou “minha vida é um e-book aberto mesmo que eu não tenha as dimensões do que isso pode me causar um dia” ofuscou bruscamente) e lá no Orkut tomei conhecimento de um endereço na internet onde tinha tudo sobre Elvis Presley. Se digitarmos hoje Elvis Presley em qualquer motor de busca na internet vamos ter na lista o site oficial, sua biografia em alguns sites, alguns vídeos, mas o melhor endereço onde temos acesso a tudo que envolve o nome Elvis Presley é o fórum internacional EP FANELVIS INTERNATIONAL FORUM, administrado pela Angel Presley. Participo de lá desde 2008, época em que eu acessava até dos laboratórios de informática da faculdade. Eu como fã de Elvis divido meu tempo de fã em antes e depois de entrar para o fórum. Todos os filmes, todos os discos, todos os detalhes da vida e obra de Elvis estão no fórum. Além de todos os discos e filmes, fotos, textos, livros, revistas, itens de coleção memorabilia, notícias sobre os lançamentos, letras, traduções das letras, filmes, shows, as famosas jumpsuits dos anos 70, sessões de fotos para os filmes, tudo que se imaginar sobre Elvis Presley tem um endereço certo. http://epfanelvis.livreforum.com/

A este espaço eu devo tudo o que sei de Elvis, todo meu acervo, tudo o que eu conheci de Elvis está no fórum. Elvis cantou no Aloha a canção “Welcome To My World”. Quer saber de tudo relacionado ao Mundo Elvis? Entre para o EP FANELVIS INTERNATIONAL FORUM.